Escrito por: Agência Canna

A utilidade do óleo para engrenagens no setor industrial

Devido às demandas cada vez mais precisas e a necessidade de ter processos e equipamentos cada vez mais eficientes, é fundamental que as indústrias trabalhem com produtos que sejam qualificados e tragam maior praticidade e produtividade para a rotina. O óleo para engrenagens é um deles.

Na prática, o óleo para engrenagens é usado para lubrificar esse tipo de produto, que é tão importante no dia a dia de muitas indústrias, já que é empregado para transmitir esforços e movimentos, sofrendo uma grande pressão de contato. Ou seja: é um tipo de lubrificante industrial muito útil para melhorar o desempenho desse tipo de peça.

É por isso que o óleo se torna tão essencial. Além de lubrificar, ele também protege e preserva as engrenagens contra o desgaste e, consequentemente, a perda de eficiência, permitindo que elas sejam úteis e eficientes por mais tempo. Isso é vantajoso para reduzir custos inesperados e evitar a parada de maquinários importantes para a indústria.

Por que usar o óleo para engrenagens?

Quando usado dentro do período adequado, o óleo para engrenagens prolonga o tempo de vida dessas peças, tornando possível usufruir delas sem prejudicar o seu desempenho.

Além disso, o óleo para engrenagens tem um excelente poder anti corrosivo quando usados em aços e metais não ferrosos, o que também contribui para o aumento da vida útil da peça e a sua melhor performance. Nesse caso, é fundamental buscar por um óleo que tenha anticorrosão como uma das suas principais características. 

Com isso em mente, é possível entender o papel essencial que o óleo cumpre para a eficiência das engrenagens. E quando levamos em consideração que a maioria dos maquinários e equipamentos industriais contam com essas peças em seu interior, não restam dúvidas da necessidade de lubrificar as engrenagens periodicamente.

Características do óleo para engrenagens

As características do óleo para engrenagens dependerão diretamente do tipo de engrenagem, que pode ser cilíndrica de dentes retos ou helicoidais, cônicas de dentes helicoidais ou retos, planetárias, cremalheiras, entre muitas outras. Ainda, é importante observar o tamanho da caixa de engrenagens, já que ela determina o volume de óleo ideal para a lubrificação.

Outra coisa que é preciso observar: cada tipo de engrenagem precisa ser lubrificada de uma certa maneira, o que demanda uma metodologia adequada para a aplicação do óleo. É importante seguir esse passo para que todos os benefícios do óleo sejam garantidos e, assim, que as engrenagens ofereçam a performance esperada.

Abaixo, confira algumas das principais características que os óleos para engrenagens podem ter:

  • Viscosidade: essa é a característica mais importante do óleo. Óleos com baixa viscosidade são recomendados para operações que contam com alta velocidade, dentes das engrenagens bem-acabados e baixo carregamento. Já os que possuem alta viscosidade são ideais para dentes com acabamentos mais grosseiros e de baixa velocidade;
  • Pacotes de aditivos: o óleo poderá conter aditivos que afetam inúmeras propriedades essenciais de desempenho na operação (como o anticorrosivo, já mencionado anteriormente). Por isso, é fundamental ficar de olho em quais estão presentes no produto para adquirir o melhor conforme à aplicação;
  • Estabilidade térmica e oxidativa: ideal para engrenagens que trabalham em altas temperaturas e sob condições variadas de trabalho. Assim, é garantido o desempenho do óleo mesmo nessas condições.

Também devemos observar a base do óleo para engrenagens, que pode ser mineral ou sintética.

A base mineral oferece bom desempenho na maior parte das suas aplicações e, tipicamente, conta com maiores coeficientes de pressão e viscosidade se comparado aos óleos sintéticos comuns. Portanto, ao ser aplicado, o óleo forma um filme protetivo espesso.

Já a base sintética proporciona maior resistência à degradação e oxidação. Assim, os óleos para engrenagens de base sintética são indicados para operações mais extremas. Por esse e por todos os outros motivos, é fundamental entender suas necessidades e, assim, adquirir o óleo mais adequado para elas.

Fale com quem entende de óleo para engrenagens

A X5company é referência quando o assunto é distribuição de químicos. No seu amplo portfólio é possível encontrar uma variedade de óleo para engrenagens, a fim de lubrificar, proteger e preservar as peças. Tudo isso por um excelente custo-benefício e a garantia de ter uma fornecedora que entende do assunto, assegurando processos de alta qualidade.

Entre em contato e saiba mais!

Escrito por: Agência Canna

Como o transporte de produtos químicos deve ser feito?

A logística é uma importante área para a economia nacional, porém, o transporte de produtos é uma tarefa que exige muito cuidado, principalmente quando falamos sobre o transporte de produtos químicos. Por se tratar de produtos que envolvem riscos à saúde, é necessário estar de acordo com a legislação, adotando critérios específicos que buscam garantir a segurança do motorista, de outras pessoas e também do meio ambiente.

De acordo com o Departamento de Estradas de Rodagem (DER), são transportados diariamente pelas rodovias paulistas mais de três mil produtos perigosos. Segundo dados da Comissão de Estudos e Prevenção de Acidentes no Transporte Rodoviário de Produtos Perigosos no Estado de São Paulo, em 2021 ocorreram 1.091 ocorrências (entre acidentes e incidências), sendo uma média de 91,25 no estado. Já em 2020, foram um total de 939 ocorrências, obtendo uma  média de 78,25 por mês.

Por isso, medidas preventivas são essenciais ao transportar insumos químicos. A Agência Nacional de Transportes Terrestres (ANTT) e a Associação Brasileira de Normas Técnicas (ABNT) são os órgãos que regulamentam as normas sobre o transporte de produtos perigosos, sendo especificados na Resolução nº 5.232/2016.

A seguir, iremos abordar o que a ANTT considera como produto perigoso e como o transporte de produtos químicos deve ser feito de forma segura. Confira:

Todos os produtos químicos são considerados perigosos?

Inicialmente, precisamos entender o que são os produtos químicos. Trata-se de produtos de um ou mais composto químico, que são transformados por meio de processo industrial para realizar determinada função. Pode ser líquido, sólido ou gás.

Segundo a ANTT, os produtos químicos considerados perigosos são aqueles que representam riscos à segurança pública ou ao meio ambiente, sendo classificados em 9 itens: 

  • Líquidos inflamáveis; 
  • Explosivos; 
  • Gases; 
  • Corrosivos; 
  • Peróxidos orgânicos ou substâncias oxidantes; 
  • Materiais radioativos; 
  • Substâncias infectantes ou tóxicas (venenosas); 
  • Sólidos inflamáveis; 
  • Substâncias perigosas diversas.

Por outro lado, há o transporte de produtos químicos que não são perigosos, ou melhor dizendo, são considerados de baixo risco, sendo incapazes de causar acidentes graves à população ou contaminar o meio ambiente. São alguns deles os ingredientes químicos para produção de materiais diversos, como produtos de higiene, beleza e limpeza, além de produtos de uso controlado, para produção de medicamentos, por exemplo.

Vale ressaltar que os produtos químicos não perigosos não exime os cuidados de segurança na hora do armazenamento e transporte.

Quais são os documentos necessários para o transporte de produtos químicos?

Para ocorrer o transporte de produtos químicos dentro da legislação, é necessário que o motorista do veículo possua uma série de documentações exigidas pela Portaria MT nº 349 de 04/06/2002

Podemos citar algumas: 

  • Declaração de carga emitida pelo expedidor com a descrição completa do produto transportado; 
  • Documento que comprove a realização do Curso de Movimentação de Produtos Perigosos (MOPP); 
  • Certificado de capacitação do veículo e dos equipamentos de transporte de produtos perigosos; 
  • Documento de inspeção técnica veicular; 
  • Documento fiscal do produto transportado; 
  • Ficha de Emergência; 
  • Autorização Ambiental para Transporte de Produtos Perigosos, entre outros.

Principais cuidados com o transporte de produtos químicos

Esse tipo de carga requer a adoção de diversas medidas de segurança, desde a utilização de embalagens adequadas à  contratação de profissionais qualificados para o seu transporte até a documentação em mãos conforme a lei, como já mencionado. É importante ficar atento aos detalhes para evitar riscos à saúde e ao meio ambiente. Abaixo, confira os principais cuidados que se deve tomar no transporte de produtos químicos.

Seguir as normas e os regulamentos

Como você já deve imaginar, a primeira medida a ser adotada é estar atualizado em relação às regulamentações e normas. O descumprimento da lei pode acarretar em multas altas e até mesmo o cancelamento do Registro Nacional de Transportadores Rodoviários de Cargas (RNTRC).

Veículo adequado

Não basta apenas ter um veículo em bom estado. É preciso dar atenção às manutenções preventivas, revisões constantes, sinalizações, painel de segurança e peso máximo da carga. Além disso, o caminhão precisa estar de acordo com o tipo de material que será transportado. Exemplo: para produtos líquidos, é preciso utilizar um caminhão-tanque.

Capacitação dos motoristas

Para realizar o transporte de produtos químicos, os motoristas são obrigados a realizarem uma qualificação: O MOPP (Movimentação Operacional de Produtos Perigosos).

O treinamento foca em itens como direção defensiva, legislação de trânsito, primeiros socorros, prevenção e combate à incêndio, além de, é claro, movimentação de produtos perigosos. Os motoristas devem, obrigatoriamente, realizar a capacitação a cada 5 anos. 

Respeitar a jornada de trabalho do condutor

Sabemos da importância de entregar as cargas dentro do prazo. Porém, também é preciso respeitar o tempo de descanso dos motoristas, a fim de reduzir drasticamente a ocorrência de acidentes. Por lei, deve existir um repouso diário de 11 horas, a cada 24 horas de trabalho.

Adotar medidas de segurança em caso de acidente

Acidentes podem ser evitados, porém, quando acontece algo inesperado, é necessário adotar algumas medidas de segurança: isolar a área e afastar pessoas, manter cigarros, lanternas, motores e celulares distantes, informar imediatamente a polícia, embarcador e transportador e aguardar a chegada de socorro público. 

Programa de abastecimento de produtos químicos

Trouxemos os principais cuidados sobre o transporte de produtos químicos. Para muitas empresas, cuidar de todo o processo de logística de produtos químicos pode ser uma tarefa complicada, pois precisa de um espaço adequado, além de transportar os insumos químicos com segurança. Se for o seu caso, você pode contar com a X5 Company.

A X5 Company, empresa líder no segmento de produtos químicos, possui um programa de abastecimento que ajuda empresas no processo de gerenciamento de estoque de químicos. O programa conta com as certificações AS9120: 2016/ ISO 9001:2015, seguindo os padrões de segurança e qualidade exigidas pelas normas aeronáuticas.

Clique aqui e saiba mais sobre o programa de abastecimento!

Escrito por: Agência Canna

ISO 9001:2015 e AS9120B: saiba tudo sobre as certificações

As certificações de qualidade são importantes para aumentar a credibilidade da empresa. Mas, para além da visão de mercado, elas asseguram que determinados processos estão sendo feitos da maneira adequada, o que garante a segurança ao consumidor. Duas das certificações mais importantes são a ISO 9001:2015 e a AS9120B.

Essas duas normas dizem respeito a coisas diferentes, mas ambas são importantes para processos internos, comprometimento com o cliente e também maior transparência nas relações. Quando as empresas são certificadas, independentemente da norma em si, isso fortalece sua marca e traz maior confiança por parte de quem compra dela.

Para tirar as principais dúvidas em relação a ISO 9001:2015 e AS9120B, desenvolvemos um artigo para falar sobre cada uma, o que são, seus detalhes e outras informações importantes sobre elas. Continue para conferir!

 ISO 9001:2015

A ISO 9001:2015 diz respeito a um sistema de gestão capaz de otimizar o processo, agilizar o desenvolvimento de produtos e a produção de forma completa. Ela existe para trazer satisfação ao cliente e garantir sucesso para os processos internos. É um sistema criado para empresas aumentarem seu desempenho.

Implementar a ISO 9001:2015 é diferente de obter a certificação. Após implementá-la, a empresa passará por uma auditoria de certificação e, caso cumpra com os requisitos, poderá receber o certificado. Ele tem validade de 3 anos e passa por auditorias anuais que asseguram a integridade do sistema de gestão.

Empresas de diferentes portes podem implementar a norma na sua rotina e garantir benefícios muito interessantes. É um diferencial competitivo muito atrativo para fornecedores, parceiros e clientes, além de ser uma forma de reconhecimento internacional da qualidade do trabalho.

Para conhecer mais sobre as certificações da ISO, clique aqui.

AS9120B

Assim como a ISO 9001:2015, a AS9120B também diz respeito ao sistema de gerenciamento, mas à uma gestão de qualidade relacionada à avaliação de fornecedores aeroespaciais, sendo desenvolvida especialmente para esse público.

Ter esse certificado mostra que a empresa entende a norma, atende aos principais requisitos e, de forma consequente, se preocupa com a segurança das aeronaves. Ele se mostra um verdadeiro aliado para conseguir atrair clientes da indústria aeroespacial, que prezam por ter fornecedores e parceiros que entendem as particularidades do segmento e buscam oferecer o que há de melhor para as aeronaves.

A AS9120B traz benefícios econômicos devido à estruturação das informações e dos processos, oferece transparência, maior assertividade na rotina, integração dos requisitos das áreas normativas, além da listagem da empresa como fornecedor competente no Sistema de Informação de Fornecedores Aeroespaciais Online (OASIS).

Conte com empresas que tenham certificados da ISO 9001:2015 e AS9120B

Tanto a ISO 9001:2015 como AS9120B são certificados fundamentais que garantem a melhor qualidade aos processos e aos produtos de uma determinada empresa. Não é apenas bem-visto no mercado, mas é uma garantia de que aquele fornecedor cumpre com requisitos de qualidade e se preocupa em oferecer os melhores produtos ao seu cliente, trabalhando em prol de aperfeiçoar seus processos e garantir que seu público tenha apenas o melhor.

Nós, da X5 Company, além do certificado ISO 9001:2015, somos a única empresa do segmento de logística e distribuição de produtos químicos na América Latina que possui o certificado AS9120B, visando garantir a qualidade em todo o processo de distribuição de químicos para o setor aeroespacial. 

Nosso compromisso é com o seu sucesso e, por isso, oferecemos alta qualidade em tudo o que fazemos.

Entre em contato conosco e saiba mais!

Escrito por: Agência Canna

Manutenção naval: por que realizar?

Seja para passeio ou mesmo voltada para o setor de exportação, as embarcações são parte relevante para o bom funcionamento da indústria naval. Por essa razão, manter a integridade das embarcações é necessário e a manutenção naval é a chave para isso acontecer. 

A indústria naval é um setor que vem crescendo no Brasil e que conta com investimentos robustos. Entre os anos 2000 e 2012, segundo o Ipea (Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada), o setor chegou a receber repasse de quase R$ 150 bilhões. 

O transporte marítimo é um dos maiores protagonistas para a atividade de exportação, chegando a corresponder a 90% do canal utilizado em trocas de mercadorias do Brasil e outros países. 

Com uma proporção tão elevada e com atividades tão fundamentais para geração de emprego e melhora da economia do país, fica claro que esse setor não pode “se dar ao luxo” de passar por muitos perrengues em suas embarcações. 

A manutenção naval garante que as embarcações (de pesca, passeio, mercantes ou de qualquer outro setor) consigam ter maior durabilidade e segurança. 

Alimentos como carnes, galinhas e peixes ou mesmo frutas são exemplos de insumos que costumam ser transportados para outros países por embarcações. Esses produtos são bastante delicados e perenes, por isso, um problema na embarcação pode fazer com que toda a mercadoria seja estragada por ficar mais tempo do que o previsto em alto mar, sendo deslocada.

Para realizar o processo de manutenção nessa indústria, é importante contar com produtos e materiais de qualidade – além de buscar o profissional certo. A seguir, separamos as principais informações que você precisa saber sobre o assunto. Continue a leitura para conferir!

O que é manutenção naval? 

A manutenção naval é um procedimento industrial que consiste em fazer ajustes ou até mesmo revisar uma embarcação para garantir que ela nem chegue a dar problemas no futuro. Esse último exemplo é o que chamamos de “manutenção preventiva”. 

Quando se trata da indústria naval, o ideal é sempre buscar fazer uma rotina de manutenção para checar os equipamentos e não esperar até que uma embarcação comece a apresentar falhas. 

Uma boa manutenção naval garante que as embarcações operem de maneira fluida e regular, evitando surpresas que podem ser dolorosas para o bolso (e ainda comprometerem a saúde e integridade da equipe).

Importância da manutenção naval

Diferente de outras tantas indústrias, o segmento naval precisa estar preparado para as mais distintas ações do tempo. Seja chuva ou sol, calor ou frio, ventando ou não, é importante que as embarcações sejam resistentes o bastante para se adequar aos diversos cenários. 

O transporte marítimo é essencial para o comércio exterior e uma quantidade imensurável de cargas é transportada todos os dias. O cuidado em fazer uma manutenção naval, focada não só em problemas pontuais, mas na integridade da embarcação como um todo, é uma garantia maior de qualidade por longo tempo. 

Além disso, é impossível não pensar nos gastos. Uma manutenção preventiva, que consegue muitas vezes captar um problema antes que ele se manifeste, traz menos custo se comparado à uma manutenção quando já há algum problema. 

Se organizada da maneira certa, a manutenção poderá fazer parte do fluxo da empresa e não se tornar um contratempo de última hora – que além de desagradável, trava toda a operação e o planejamento de caixa da empresa responsável. 

A indústria naval deve continuar crescendo nos próximos anos e, por isso, é fundamental adotar a manutenção naval como parte da rotina. Esse é o primeiro passo. O segundo, é buscar por produtos de excelência para garantir máxima qualidade e sucesso na correção de problemas. 

A X5 Company é uma distribuidora de produtos químicos de altíssima qualidade e pode ser aliada na hora de fazer a sua manutenção, visando um desenvolvimento ainda maior, principalmente para o modelo da cabotagem. Se a sua empresa precisa de produtos químicos para se desenvolver, a X5 tem a solução certa. Entre em contato e solicite um orçamento agora mesmo!

Escrito por: Agência Canna

Tudo sobre a Política Nacional de Resíduos Sólidos

O trabalho com produtos químicos desperta constantemente uma pauta de interesse público: o cuidado com o meio ambiente. Combater a poluição, garantir a saúde dos profissionais envolvidos e da natureza se tornou fundamental – seja no processo de fabricação como também no descarte. Foi pensando nisso que a Política Nacional de Resíduos Sólidos surgiu.

Também chamada de PNRS, trata-se de uma lei (nº 12.305) que entrou em vigor em 2010 com o objetivo de gerenciar e direcionar as melhores práticas para o descarte de resíduos sólidos no Brasil. 

A indústria química tem uma importância enorme para o Brasil e para o mundo. Segundo a Oxford Economics, o segmento representa aproximadamente  8% do PIB global da indústria de transformação, além de ser detentora de cerca de 120 milhões de empregos atualmente.

O Brasil está entre os 10 países com maior produção de produtos químicos, e por isso, a Política Nacional de Resíduos Sólidos é um tema bastante relevante para esse segmento e foi colocado em prática para garantir que o processo seja feito com máxima segurança e responsabilidade socioambiental.

Separamos um guia completo para explicar mais sobre a PNRS, como ela funciona e o que está previsto para que a sua empresa saiba tomar os cuidados e não ser penalizado. Confira a seguir!

O que é a Política Nacional de Resíduos Sólidos (PNRS)?

A Política Nacional de Resíduos Sólidos é uma lei brasileira que organiza e dita as melhores práticas para lidar com o descarte. 

Em vigor desde 2010, ela surgiu trazendo uma série de diretrizes para o descarte de resíduos sólidos. Essas regras têm muita importância nos dias de hoje, visto que o descarte incorreto traz prejuízos para a saúde dos seres humanos e preservação de patrimônios naturais.

Mas afinal, o que é um resíduo sólido?

Parte do que é descrito na PNRS visa esclarecer esse conceito e define resíduo sólido como “um material, substância, objeto ou bem descartado, resultante de  atividades humanas em sociedade”.

A constituição brasileira prevê que todos são responsáveis pela preservação e cuidado com a natureza e o meio ambiente. A Política Nacional de Resíduos Sólidos traz as respostas de como fazer isso.

Quais são os objetivos da Política Nacional de Resíduos Sólidos?

A PNRS possui alguns objetivos que guiam e deixam claro seu propósito. Mais especificamente, são 15 missões que a legislação se compromete a colocar em prática. Confira a seguir!

1 – Proteção da saúde pública e qualidade ambiental;

2 – Não geração, redução, reutilização, reciclagem e tratamento de resíduos sólidos;

3 – Estimular os padrões sustentáveis de consumo de bens e serviços, de forma a se refletir na produção;

4 – Adoção de tecnologias limpas para reduzir impactos negativos contra a natureza;

5 – Reduzir o volume e risco dos resíduos perigosos;

6 – Incentivar a reciclagem fomentando o (re)uso de matérias-primas e insumos derivados de materiais recicláveis e reciclados; 

7 – Integração de resíduos sólidos;

8 – Servir como “meio de campo” para integrar poder público, empresas e cooperativas para uma gestão integrada de resíduos sólidos;

9 – Oferecer capacitação técnica e financeira para gerir resíduos;

10 – Regularidade, continuidade, funcionalidade e universalização para servidores públicos responsáveis pela limpeza urbana e manuseio de tais resíduos sólidos;

11 – Contratações governamentais ora para produtos reciclados e recicláveis ora bens, serviços e obras que visam consumo social e ambientes mais saudáveis;

12 – Integrar os responsáveis pela coleta dos materiais reutilizáveis e recicláveis para fazerem parte das ações de responsabilidade do ciclo de vida dos produtos;

13 – Avaliar e incentivar que outros órgãos analisem o ciclo de vida dos produtos;

14 – Incentivar o desenvolvimento de uma política de gestão de resíduos nas empresas com o objetivo de melhorar a produção e segurança dos profissionais envolvidos (também oferecer-lhes a capacidade de reaproveitar os resíduos sólidos);

15 – Incentivar a rotulagem ambiental e apontar a sua importância.

A Política Nacional de Resíduos Sólidos e reciclagem

A reciclagem é uma ferramenta poderosa para dar um fim (e um novo começo) para os resíduos sólidos. Por essa razão, a PNRS tem um trabalho constante de incentivar e viabilizar o processo de restauração quando possível.

A ideia é reduzir cada vez mais a destinação para os lixões ou locais indevidos de descarte. Além disso, a reciclagem desses materiais  traz outros benefícios, como reduzir a poluição e a extração exorbitante de matérias-primas na natureza.

Uma das formas de cumprir com a Política Nacional de Resíduos Sólidos é investir na logística reversa. Várias empresas adotaram essa prática e têm parcerias junto às instituições que regulam e fiscalizam o cumprimento das leis ambientais. 

É verdade que mesmo antes de 2010, quando a lei foi instituída, já havia uma preocupação com a reciclagem de resíduos sólidos. A grande diferença é que no passado, quando um consumidor descartar um produto ou material em local inadequado, a culpa não caía sobre ninguém. Hoje, a responsabilidade é dividida entre vários grupos que participam da cadeia produtiva, pois, na prática, todos têm uma participação no ciclo de vida do produto e precisam se responsabilizar por garantir a reciclagem.

Quando o assunto é logística reversa de produtos químicos, a X5 Company, empresa distribuidoras de químicos, é especialista, pois se preocupa não só com a venda de produtos de qualidade como também com a reciclagem deles, estando em conformidade com a Política Nacional de Resíduos Sólidos tendo isso confirmado com sua participação no programa de Política de Logística Reversa Resíduos Sólidos da CETESB. Saiba mais sobre o nosso compromisso clicando aqui!

Escrito por: Agência Canna

Armazenamento de produtos químicos: Como fazer?

O armazenamento de produtos químicos é uma atividade que exige diversos cuidados. Se a sua empresa possui um depósito para guardar esse tipo de insumo, é importante verificar se ele está adequado para seguir as principais recomendações de segurança.

Essa preocupação com a armazenagem de químicos acontece no mundo inteiro, e existem regras específicas para realizar o procedimento com máximo cuidado. Aqui no Brasil, a regulação é feita pela Associação Brasileira de Normas Técnicas (ABNT).

Para muitas empresas, cuidar da logística dos produtos químicos é realmente complexa: precisa de um espaço adequado, que precisa ser fiscalizado ao menos uma vez no ano, além de adequar o ambiente para as diferentes especificidades dos tipos de insumos adquiridos. 

Apesar de burocrático, o processo é fundamental para preservar a saúde e integridade – tanto dos funcionários como, muitas vezes, do próprio consumidor final, bem como para evitar possíveis acidentes. 

O motivo é que as condições naturais do ambiente (temperatura, umidade e luminosidade) podem ser prejudiciais e alterar a fórmula específica do produto. No caso de sofrer alteração, ela pode acabar não desempenhando o potencial que deveria (e em alguns casos mais graves, até causar danos à saúde).

A norma regulamentadora que estabelece critérios para o armazenamento de produtos químicos é a NBR 14725-4. O documento de 27 páginas traz informações gerais sobre armazenamento, transporte, segurança, meio ambiente e saúde envolvendo químicos, inclusive, mostrando como consultar a ficha de informações de segurança de produtos químicos (FISPQ)

A seguir, iremos abordar os principais pontos da norma e os erros mais comuns que empresas cometem hoje. Confira!

Como fazer o armazenamento de produtos químicos?

O armazenamento de produtos químicos precisa de um local específico que tenha o controle de alguns aspectos naturais, como: temperatura, ignição, ventilação, iluminação, segregação, umidade e identificação. 

Nota-se que não adianta apenas disponibilizar um espaço para estoque qualquer, aquele “cantinho vago” na fábrica. Quando se trata de insumos químicos, todo cuidado é pouco. 

Os cuidados precisam ser periódicos nas áreas de depósito e a manutenção deve ser rigorosa. Isso porque um elemento danificado pode emitir substâncias e estragar outros produtos se não estiver bem embalado. Ao menos uma vez no ano é importante que o estoque seja inspecionado, e que produtos vencidos ou indesejados sejam retirados o quanto antes.

É importante sempre consultar a ficha de informação de segurança de produtos químicos (FISPQ), pois nela você irá encontrar todas as informações sobre o armazenamento de diferentes produtos, inclusive, entender a compatibilidade de diferentes produtos. Saber isso vai ajudar especialmente na etapa de segregação dos produtos.

A ficha deve ser consultada sempre antes de montar o estoque, pois a partir dela você consegue entender quais produtos podem ficar próximos e quais precisam estar separados.

Os riscos de fazer o armazenamento de maneira incorreta 

O manuseio e armazenamento de produtos químicos exigem cuidados porque apresentam riscos que precisam ser evitados. Existem insumos químicos de todos os tipos – desde os mais simples para a limpeza até os que são considerados explosivos.

Além disso, cada produto químico tem a sua particularidade e necessidade em relação ao armazenamento, e por isso, um gestor precisa estar atento a cada uma dessas características próprias do insumo. 

Pensando nas diferentes características, é importante sempre rotular os produtos químicos e incluir na embalagem informações sobre a identidade e, se for o caso, também um aviso de perigo apropriado e bem destacado. 

Os produtos químicos líquidos devem ser armazenados em embalagens inquebráveis, de preferência com contenção dupla, para se caso houver algum acidente, as chances do produto esparramar são menores. 

O mesmo critério deve ser aplicado em relação aos ácidos, que precisam de um local dedicado e uma embalagem que ofereça proteção para evitar o vazamento.

Armazenamento de produtos químicos inflamáveis

Os inflamáveis apresentam sempre um risco adicional, e por essa razão, devem ser armazenados em um gabinete exclusivo para esse tipo de químico. Se o volume de produtos armazenados exceder 10 galões, o recomendado é manter as portas fechadas.

Em contato com outros produtos químicos, as reações de produtos inflamáveis podem ser desastrosas e causar acidentes graves. 

Erros comuns no armazenamento de produtos químicos

Armazenar produtos por ordem alfabética

Muitas empresas ainda fazem esse tipo de organização, e por mais que facilite na hora de encontrar determinada solução, é extremamente perigosa, pois não leva em consideração as exigências de cada insumo e nem se os produtos que estão próximos são compatíveis.

Prateleiras lotadas

As prateleiras cheias indicam um risco. É muito fácil na hora que um operador for pegar um dos produtos químicos esbarrar e derrubar outro, causando sérios prejuízos para a empresa.

Armazenamento de produtos químicos acima do nível dos olhos

Um risco gigante para a segurança de qualquer colaborador é ter os químicos acima do nível dos olhos. Em caso de um acidente, os danos podem ser graves e permanentes. 

Colocar os produtos químicos no chão ou em corredores de tráfego 

Mesmo que temporariamente, esse tipo de atitude pode causar acidentes, o que leva a perda de produto e, dependendo do tipo de químico presente, ainda é prejudicial à saúde e segurança dos funcionários, bem como a todo o ambiente. 

Programa de abastecimento – X5 Company

Trouxemos os principais pontos em relação ao armazenamento de produtos químicos, mas existem várias outras especificidades que a ABNT regulamenta. Se a sua empresa quer focar apenas no básico e não precisar passar pelo desgastante processo de adaptar o estoque, existe uma solução.

A X5 Company, empresa líder no segmento de produtos químicos, possui um programa de abastecimento que ajuda empresas que não querem estocar os insumos a nunca ficarem sem produtos para desempenhar atividades. 

Devido a nossa ampla experiência, nossa equipe está preparada para cuidar de todo o seu estoque de químicos. Ou seja, você transfere todo o seu estoque para a nossa empresa e nos responsabilizamos por todo o processo logístico, com o envio dos produtos e gestão completa de shelf-life,

Para saber mais sobre o programa de abastecimento, clique aqui!